quinta-feira, 11 de novembro de 2010

"Entre áspas"


Por que há o direito ao grito..
então eu grito!
Quando Clarice escreveu isso ela certamente pensava neste grito que todas nós temos presos na garganta.
Um grito que nunca teremos a certeza se podemos ou devemos deixá-lo sair e as consequências como ficam?Depois de uma certa altura da vida, acabamos por ponderar um pouco mais, relevar um pouco mais, nos amar um pouco mais, criticar um pouco mais...
Gosto de pensar que isso é uma espécie de auto-contentamento, por que não?O querer fazer apenas o que se gosta, ou ao menos não fazer aquilo que não se gosta...
Um dia este grito sairá, mas por enquanto meus próprios argumentos me dão a certeza de que estou indo para o lado certo.

Um comentário:

so sad disse...

eu acho que passa pelo ponto de fazer o que quer, de se libertar.
de ser!

beijo!